segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Assuntos do Grau 31 (O Tribunal de Osíris).

   O Tribunal de Osíris é um importante tema analisado no Grau 31 (Grande Inspetor Inquisidor Comendador), cujos estudos remetem à Antiga Mitologia Egípcia.
  Essa corte mitológica, descrita no Livro dos Mortos, representava o conjunto de alegorias pelas quais os antigos egípcios acreditavam que se aplicava a Justiça Final após a morte.
A partir da esquerda: o morto (conduzido), Anúbis (condutor), Anúbis (pesando), Ammit (o devorador), Toth (anotando), o morto (sendo apresentado), Hórus (apresentando), Osíris (juiz), Ísis e Néftis (ambas atrás de Osíris).


   Nos estudos realizados no Grau 31, é descrita a formação tribunal divino egípcio, relatando-o como uma corte que avaliava os atos de cada pessoa no decorrer da vida. Esse colegiado, presidido pelo deus Osíris, era formado por 42 deuses-juízes e se reunia num local chamado Sala das Duas Verdades.
   O morto ao chegar ao Tribunal de Osíris, era conduzido pelo deus Anúbis, que lhe retirava o coração, centro da sua consciência, e o colocava num dos pratos de uma balança onde, no outro prato estava colocada uma pena de avestruz (símbolo de Maat, deusa da Verdade). Caso o coração do morto fosse mais pesado que a pena, era decretada a condenação e o condenado tinha sua alma devorada por Ammit (ou Amut)
    O deus Toth anotava o resultado obtido na medição e o deus Hórus o encaminhava a OsírisCaso o morto fosse absolvido, ele reencarnaria em seu próprio corpo e seguiria, juntamente com seus pertences, para um paraíso conhecido como Aaru. Daí resulta a importância da mumificação para aquele povo.
A mumificação permitia que o corpo do morto fosse preservado,
 em razão do julgamento.
 
   À luz da filosofia maçônica, o Tribunal de Osíris é uma importante alegoria do Grau 31 que tem, entre outros significados, o simbolismo de que a Verdade e a Justiça são os caminhos que devem orientar a vida do Homem na sociedade, consolidando a máxima de que "a Justiça é a Verdade em ação"

5 comentários:

  1. Comandante-em-Chefe, Ir. Sacramento. Consistório nº 1.

    Caro amigo e Ir. Sacramento.
    O seu trabalho, como sempre, impecável. Poderia, dizer, apenas, a título de conhecimento, que as técnicas do embalsamamento egípcio, jamais foram descobertas pela ciência moderna. Hoje, exitem técnicas de embalsamar um cadáver, mais jamais, com os conhecimentos e os bálsamos do povo do Egito.

    Interessante, que o respeito pelos mortos, me parece, vem dessa época, pois o corpo do defunto era visto como um instrumento para a reencarnação estabelecida no Livro dos Mortos.

    É um assunto muito interessante e que suscita muita curiosidade de pesquisa.

    Grande Inspetor Geral, Ir. Sangenis, Membro Efetivo do Consistório, nº 1,

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Irmão Sangenis, pela participação.
    Receba nosso tríplice abraço.

    ResponderExcluir
  3. Comandante-em-Chefe, Ir. Milton Antônio Graça do Sacramento. Consistório nº1.
    Aproveito este momento salutar para agradecer e elogiar esse nobre trabalho desenvolvido por todos aqueles que dedicadamente e laboriosamente se prestam a prover as condições de direcionamento aos estudos que serão desenvolvidos pelos iniciados.
    A vossa liderança ímpar tem possibilitado e enriquecido o desenvolver desse trabalho.
    Muito obrigado,
    T.'.F.'.A.'.
    Ir.'. João Anselmo de Oliveira- Grau 31 IME - 076143 Patente 0250269

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Irmão João Anselmo, na condição de Comandante-em-Chefe ressalto a importância de renovarmos a Administração do Consistório Nº 1 e concito-o, bem como aos demais maçons do nosso Alto Corpo a participarem, sempre que possível das nossas reuniões administrativas, às quintas-feiras, das 15:00h às 17:00h, na Sala da Administração, ao lado da Câmara do Consistório Nº 1.
      Agradecemos a sua participação e o apoio.
      Receba nosso tríplice abraço.

      Excluir
  4. Tenho uma teoria de que na lenda da morte de Ozires, a décima quarta parte de seu corpo perdido é a mesma palavra perdida, o corpo do mestre Hiram Abif escondido, a pedra oculta, aquele que esta no meio de nos, o todo poderoso e um fragmento do GADU oculto no planeta terra para encontra-lo decifre a palavra VITRIOL e encontras a pedra oculta e o real segredo o resto são símbolos para se chegar a esta mesma verdade.

    ResponderExcluir

A ADMINISTRAÇÃO DO CONSISTÓRIO Nº 1 AGRADECE A SUA PARTICIPAÇÃO.