HISTÓRICO



A CRIAÇÃO E OS PRIMÓRDIOS DO CONSISTÓRIO Nº 1.
     O Mui Poderoso Consistório de Sublimes Príncipes do Real Segredo N° 1 está situado no Complexo Arquitetônico do Supremo Conselho do Brasil do Grau 33 para o Rito Escocês Antigo e Aceito e é o mais antigo Consistório do Brasil. Sua fundação ocorreu no dia 1º de setembro de 1837, por iniciativa do então Soberano Grande Comendador e Grão Mestre Geral do Grande Oriente do Brasil, JOSÉ BONIFÁCIO DE ANDRADA E SILVA, o qual já exercia o cargo pela segunda vez.
 
   À época da sua fundação, o nosso Consistório funcionava nas dependências do Palácio do Lavradio, no Centro do Rio de Janeiro.
     De acordo com o pesquisador brasilianista WARREN DEAN, da New York University, que estudou a história do Brasil nesse período, a criação desse alto corpo maçônico teve duas finalidades. A primeira pretendia congregar numa mesma oficina, irmãos de altos graus que estivessem capacitados para a realização de estudos no Brasil sobre a Ordem Maçônica.
    O segundo objetivo, de acordo com o autor, era tornar possível a aproximação e a mobilização de lideranças nacionais no meio maçônico, com o intuito de oferecer novas formas de pensar ao país que nascia.
     Deste modo, no dia 01 de setembro de 1837, nasceu o  então Sublime Grande Consistório de Príncipes do Real Segredo, subordinado ao Grande Oriente do Brasil. De imediato, logo na primeira sessão, foi empossado à frente desse Alto Corpo, o Capitão do Exército, da Arma de Engenharia, MANOEL JOSÉ DE OLIVEIRA, o qual havia sido Grão Mestre Adjunto do Grande Oriente do Brasil (GOB) e que, no momento da fundação do Consistório, ocupava o cargo de Lugar Tenente Comendador. 


   Nessa mesma sessão, assumiram como 1° Tenente Comendador ANTÔNIO JOSÉ DA VEIGA e como 2° Tenente Comendador JOSÉ ANTÔNIO LISBOA, conforme registrado na ata daqueles trabalhos.
    Cabe destacar que, conforme descreve JOSÉ CASTELLANI, no livro “O Supremo Conselho no Brasil - Síntese de sua história”, o artigo 11 do Regulamento Interno do Supremo Conselho do Brazil, aprovado em 1893, estabelecia que as elevações aos graus 31, 32 e 33 eram atributos exclusivos do Supremo Conselho.

     Essa condição é confirmada pelo fato de que, desde 1855, a Constituição do nosso Supremo Conselho não previa a existência de uma oficina maçônica específica para a realização das sessões dos Graus 31 e 32. Deste modo, o Artigo 339 daquela Constituição previa o seguinte:
     “Art. 339 - Compete ao Supremo Conselho promover e conferir o Grau 33 e, em Consistório, os Graus 31 e 32 ...”
   O modelo de sessões em Consistório era, então, a forma ritualística pela qual o Supremo Conselho se reunia para conferir os Graus 31 e 32.
    Os registros sobre a história do Consistório Nº 1 desde a sua criação até a década de 1964 são escassos. Sabemos, contudo, que durante décadas, o Lugar Tenente Comendador do Supremo Conselho acumulava suas funções com a presidência das sessões do Consistório.
      A inexistência ao longo dos anos de um Consistório funcionando administrativamente como um Alto Corpo maçônico teve como conseqüência o acúmulo de atribuições, tanto para a alta administração do Supremo Conselho, como para o Ilustre Conselho de Kadosch N° 1. Esses dois colegiados eram os maiores responsáveis pela condução final dos maçons brasileiros até o Grau 33, conforme relatam os boletins do Supremo Conselho do período que antecede o ano de 1964.
      Outro fato que merece destaque, foi a mudança de subordinação dos Altos Corpos, ocorrida em 1951, em razão da desvinculação entre o Grande Oriente do Brasil, responsável pelos Graus 1, 2 e 3, e o então Supremo Conselho do Brasil para o Rito Escocês Antigo e Aceito, responsável pelos Graus 4 ao 33. Nessa ocasião, as Lojas de Perfeição (Graus 4 ao 14), Capítulos Rosacruzes (Graus 15 ao 18) e Conselhos de Kadosch (Graus 19 ao 30) passaram para a subordinação do Supremo Conselho.
      A efetivação das atividades do Consistório N° 1 como um Alto Corpo maçônico voltado especificamente às atividades (elevações, instruções etc.) dos Graus 31 e 32 teve início em 12 de novembro de 1964 quando, através do Ato Nº 604, os irmãos: OSMANE VIEIRA DE RESENDE, JORGE DE BITTENCOURT e ARIOVALDO VULCANO, foram nomeados pelo então Soberano Grande Comendador JOSÉ MARCELLO MOREIRA, para constituírem uma comissão destinada à reorganização daquele Corpo.


A REORGANIZAÇÃO DO CONSISTÓRIO Nº 1.
     Em 17 de dezembro de 1964 foi reorganizado o Consistório Nº 1, tendo como 1º Presidente o Irmão ANTÔNIO TARCILO DE ARRUDA PROENÇA, o qual na época também ocupava o cargo de Lugar Tenente Comendador do Supremo Conselho. (O Irmão ARRUDA PROENÇA, que era Brigadeiro, chegou a ser Grão Mestre Interino do GOB, no período de 10 de janeiro a 08 de abril de 1958.) 

     Juntamente com o Irmão ARRUDA PROENÇA, assumiram a Administração do Consistório Nº 1: como 1° Tenente Comendador ANTÔNIO ASTORGA e como 2º Tenente Comendador JOÃO FERNANDES DOS REIS JÚNIOR. A posse dessa nova administração ocorreu na sessão de 16 de fevereiro de 1965.
    Em 07 de julho de 1965 foi expedido o Diploma de Instalação e Regularização do Consistório Nº 1, bem como nomeada a comissão formada pelos irmãos: ARIOVALDO VULCANO, MOACIR ARBEX DINAMARCO e OSMANE VIEIRA DE RESENDE, destinada a regularizar o Consistório Nº 1.
Os maçons OSMANE VIEIRA DE RESENDE
(esquerda) e MOACYR ARBEX DIANAMARCO
(direita) exerceram o cargo de Grão Mestre 

Geral do Grande Oriente do Brasil.  
    Como conclusão do seu processo de organização, o Consistório Nº 1 realizou, no dia 15 de julho de 1965, uma sessão de regularização, momento em que foi dada posse em solenidade à nova administração.
     Pouco mais de um ano após a sua posse, o Irmão ARRUDA PROENÇA adoeceu seriamente e foi substituído, em caráter temporário, por HUMBERTO CHAVES, o qual assumiu o cargo de Presidente do Consistório Nº 1 em 15 de fevereiro de 1966 e permaneceu até 15 de setembro de 1966, quando transferiu seu cargo para DJALMA DE SOUZA SANTOS MOREIRA.

    No decorrer da história do Consistório N° 1, alguns de seus presidentes atingiram o posto máximo da hierarquia do Supremo Conselho do Brasil do Grau 33 para o Rito Escocês Antigo e Aceito, ou seja, o cargo de Soberano Grande Comendador. Entre eles registramos: DJALMA DE SOUZA SANTOS MOREIRA, ARIOVALDO VULCANO e MOACIR ARBEX DINAMARCO.
      A Administração do Consistório N° 1 sempre teve uma atuação de destaque junto ao Supremo Conselho. Esse desempenho foi registrado oficialmente em dezembro de 1968, quando o Soberano Grande Comendador publicou no boletim do Supremo Conselho um significativo elogio ao trabalho realizado pela Grande Secretaria da Oficina.
     Em outubro de 1969, o Consistório N° 1 concluiu e enviou ao Supremo Conselho seu Regimento Interno.
      Em 1972, com o falecimento do Soberano Grande Comendador JOSÉ MARCELLO MOREIRA, o então Lugar Tenente Comendador e Presidente do Consistório Nº 1 DJALMA DE SOUZA SANTOS MOREIRA foi elevado ao cargo de Soberano Grande Comendador. A partir daí, assumiu a presidência do Consistório N° 1, juntamente com o cargo de Lugar Tenente Comendador, o Irmão ARIOVALDO VULCANO.
      Em 03 de novembro de 1976, foi eleito para a presidência do Consistório Nº 1 o Irmão MOACIR ARBEX DINAMARCO.
      No ano seguinte, teve início uma fase importante na história do Consistório N° 1, pois em dezembro de 1977 foi lançada a pedra fundamental do Paço de São Cristóvão e no início de 1978 ocorreu a primeira reunião do, então chamado, Sacro Colégio (alta administração do Supremo Conselho) nas novas instalações, no bairro de São Cristóvão, no Rio de Janeiro.

      Em 15 de maio de 1978, ocorreu a primeira sessão do Consistório N° 1 no Paço de São Cristóvão, sendo que essa oficina foi a primeira a realizar uma sessão maçônica nas novas dependências do Supremo Conselho.
     No dia primeiro de setembro de 1987, o Consistório Nº 1 completou 150 anos de criação. Essa data foi comemorada com uma sessão magna alusiva ao aniversário e nessa mesma ocasião a Oficina foi agraciada com o título de Benfeitora e com a Medalha de Distinção Maçônica.
      Em 18 de outubro de 1988, faleceu o Soberano Grande Comendador ARIOVALDO VULCANO. No seu lugar assumiu o Irmão MOACIR ARBEX DINAMARCO, que até então desempenhava as funções de Presidente do Consistório Nº 1 e de Lugar Tenente Comendador.
     Para ocupar as funções deixadas por MOACIR ARBEX DINAMARCO, foi designado, em novembro de 1988, o Irmão MURILO MONTEIRO, o qual assumiu os cargos de Lugar Tenente Comendador e Presidente do Consistório N° 1.
      Levando em conta todo o período anterior, o Irmão MOACIR ARBEX DINAMARCO superou em permanência todos os demais presidentes, dirigindo o Consistório Nº 1 durante um total de treze anos ininterruptos.


     O Irmão MURILO MONTEIRO permaneceu no cargo de Presidente do Consistório Nº 1 até 03 de maio de 1990, ocasião em que foi substituído por ARY AZEVEDO DE MORAES, o saudoso Irmão “Ary Charuto”. Nessa mesma ocasião, MURILO MONTEIRO foi substituído no cargo de Lugar Tenente Comendador por NEY COELHO SOARES.
      Com a posse de ARY AZEVEDO DE MORAES à frente do Consistório Nº 1 e do Irmão NEY COELHO SOARES como Lugar Tenente Comendador, foi interrompida a longa tradição, na qual o Presidente do Consistório Nº 1 acumulava sua função com a de Lugar Tenente Comendador.
       ARY AZEVEDO DE MORAES foi presidente no período de 03 de maio de 1990 a 15 de outubro de 1993. Ao final desse período foi substituído por JOÃO FERREIRA DURÃO, o qual também foi Lugar Tenente Comendador.
      JOÃO FERREIRA DURÃO, presidiu o Corpo no período de 15 de outubro de 1993 a 16 de dezembro de 1996. Na sua gestão foi criada a revista “O Consistório”, em janeiro de 1996 e elaborado o Regimento Interno do Consistório Nº 1.

      O Irmão ZIÉDE COELHO MOREIRA, substituiu o Irmão JOÃO FERREIRA DURÃO e conduziu a Oficina no período de 16 de dezembro de 1996 a 15 de março de 2000, sendo substituído pelo Irmão CID NEY FILARDI RAMOS.
     CID NEY FILARDI RAMOS, dirigiu o Consistório no período de 15 de março de 2000 a 15 de dezembro de 2008 e, hoje em dia, ocupa o cargo de Lugar Tenente Comendador no Supremo Conselho.
     Atualmente, o Consistório nº 1 é dirigido pelo Irmão MILTON ANTÔNIO GRAÇA DO SACRAMENTO, que assumiu a Presidência em 15 de dezembro de 2008, substituindo CID NEY FILARDI RAMOS.
      O Consistório Nº 1 possui duas formas de tornar público o seu reconhecimento às pessoas e organizações da sociedade que se destaquem de modo especial. São elas:

     - através da concessão dos títulos de Benemérito ou de Grande Benemérito. Essas condecorações são destinadas aos maçons que tenham se destacado em trabalhos em prol do engrandecimento do Consistório Nº 1;
    - através da outorga da Comenda Joaquim Gonçalves Lêdo. Condecoração criada pelo então Presidente do Consistório, ZIÉDE COELHO MOREIRA, em junho de 1997. Essa medalha homenageia homens, mulheres e instituições que tenham prestado serviços relevantes para o bem comum e para a harmonia social.
    A primeira homenagem realizada pelo Consistório Nº 1 através da Comenda Gonçalves Lêdo, foi ao Supremo Conselho do Brasil do Grau 33 para o Rito Escocês Antigo e Aceito, em agosto de 1997.
  Posteriormente, foram também homenageadas com a mesma medalha: a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro.
    Em 29 de agosto de 1998, o Presidente do Consistório, ZIÉDE COELHO MOREIRA, através do Ato Nº 59/98, declarou o então Soberano Grande Comendador NEY COELHO SOARES como o Presidente de Honra do Consistório Nº 1.


    
     Ainda no que se refere às comendas, vale destacar que, na sessão de 15 de dezembro de 2011, num momento histórico inédito, oito irmãos pertencentes à Administração do Consistório Nº 1 foram homenageados com a Medalha Mérito Montezuma, a mais alta comenda do Supremo Conselho do Brasil do Grau 33 para o Rito Escocês Antigo e Aceito. 

O CONSISTÓRIO Nº 1 NOS DIAS DE HOJE.
     Atualmente, o Consistório Nº 1 realiza suas sessões ritualísticas dos Graus 31 e 32 mensalmente, a cada dia 15, excetuando quando esta data coincide com feriados, sábados ou domingos, ocasião em que a mesma é adiada para o primeiro dia útil subseqüente ao dia 15.
     As sessões ritualísticas ocorrem na Câmara Filosófica do Consistório Nº 1 (Salão Nobre do Supremo Conselho), a qual é decorada de forma a cumprir todas as exigências dos nossos rituais. Nas sessões ritualísticas são realizadas as iniciações aos Graus 31 (Grande Inspetor Inquisidor Comendador) e 32 (Sublime Príncipes do Real Segredo), além das instruções sobre temas maçônicos ou sobre cultura geral.
      Semanalmente, são realizadas as reuniões administrativas, com a presença de vários membros efetivos do Consistório Nº 1. Nessas reuniões são definidos os rumos da Oficina, é reorganizada a documentação interna e são atendidos os irmãos dos vários graus que desejem se regularizar ou atender algum compromisso junto à nossa Oficina.
      O Consistório Nº 1 dispõe de todo o mobiliário administrativo necessário ao seu bom funcionamento. A Sala da Administração possui equipamentos de informática com acesso à internet e disponibiliza uma rede de wireless aos seus freqüentadores.
      A Administração do Consistório Nº 1 divulga suas atividades ao público em geral e mantem informado o seu quadro de obreiros através da internet por meio de um blog informativo, iniciado em 15 de setembro de 2013, cujo endereço eletrônico é: http://blogdoconsistorio1.blogspot.com.br/.
     A Oficina possui mais de 500 irmãos ativos no seu quadro de obreiros e congrega maçons dos Graus 31, 32 e 33, da região que inclui a Cidade do Rio de Janeiro, municípios da Baixada Fluminense, Niterói e entorno da Baía de Guanabara, Região dos Lagos, além de parte da Região Serrana.


BIBLIOGRAFIA PESQUISADA.
- Boletins do Supremo Conselho do Brasil do Grau 33 para o Rito Escocês Antigo e Aceito, do período de 1962 a 2013. 
- Boletins do Grande Oriente do Brasil, do período de 1905 a 1969.
- Atas do Mui Poderoso Consistório de Príncipes do Real Segredo Nº 1, do período de 1964 a 2013. 

 - História do Supremo Conselho do Grau 33 do Brasil, de autoria do Irmão KURT PROBER.  
- O Supremo Conselho no Brasil, síntese de sua história, de autoria do Irmão JOSÉ CASTELLANI.
- Artigo “Os latifúndios e a política no Império Brasileiro”, do brasilianista WARREN DEAN.

5 comentários:

  1. Comandante-em-Chefe, Ir. Sacramento - Consistório Nº 1
    Excelente pesquisa e muito interessante a apresentação dos nossos antigos Soberanos dos Soberanos. Envio votos felicidade.
    Grande Inspetor Geral, Ir. Sangenis, Membro Efetivo - Consitório Nº 1

    ResponderExcluir
  2. Olá! De a muito adentrei à maçonaria, o que muito me honra. Fui exaltado ao Gr.!. 33 nos recintos do Supremo Conselho no Campo de S. Cristovão, nos idos tempos do saudoso Irmão Grande Comendador Ariovaldo Vulcano, pessoa que tive o privilégio de conhecer. Durante todos esses anos, uma coisa que sempre me intrigou foi nunca ter visto um balancete da tesouraria do Supremo Conselho, pois todas as lojas sejam de Perfeição, Capitulo, Kadosch e Consistório fazem esse relatório da tesouraria regularmente prestando assim aos seus membros a posição exata dos metais nos períodos. Embora esse assunto não seja competência do Consistório, gostaria se possível uma resposta do porquê sobre o assunto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Senhor, tendo em vista essa informação ser específica da administração do Supremo Conselho, sugiro que faças essa consulta no site do Supremo Conselho (http://www.ritoescoces.org.br/).
      Obrigado pela visita ao Blog do Consistório Nº 1.
      Receba o nosso tríplice e fraternal abraço.

      Excluir
  3. Sou maçom e me dedico ao estudo de vários temas como origem da maçonaria.
    criação do consistório, graus 30, 31, 32 e33. Os trabalhos do consistório 1 são
    extremamente necessários aos meus estudos , devido serem profundos. e
    judiciosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Irmão Benedito Lemos, obrigado pelo teu apoio e participação.
      Continuaremos firmes nessa tarefa de participar ativamente da cultura maçônica.
      Receba nosso tríplice abraço.

      Excluir

A ADMINISTRAÇÃO DO CONSISTÓRIO Nº 1 AGRADECE A SUA PARTICIPAÇÃO.